Poema XX – Pablo Neruda

Starry Night - Vincent Van Gogh

Posso escrever os versos mais tristes esta noite
Escrever por exemplo:
A noite está estrelada e tiritam, azuis, os astros à distância
Gira o vento da noite pelo céu e canta
Posso escrever os versos mais tristes esta noite
Eu a quis e por vezes ela também me quis
Em noites como esta, apertei-a em meus braços
Beijei-a tantas vezes sob o céu infinito
Ela me quis e às vezes eu também a queria


Como não ter amado seus grandes olhos fixos ?
Posso escrever os versos mais tristes esta noite
Pensar que não a tenho
Sentir que já a perdi
Ouvir a noite imensa mais imensa sem ela
E cai o verso na alma como orvalho no trigo
Que importa se não pode o meu amor guardá-la ?
A noite está estrelada e ela não está comigo
Isso é tudo
À distância alguém canta. À distância
Minha alma não se conforma  por havê-la   perdido
Para tê-la mais perto meu olhar a procura
Meu coração procura-a, ela não está comigo
A mesma noite faz brancas as mesmas árvores
Já não somos os mesmos que antes havíamos sido
Já não a quero, é certo
Porém quanto a queria !
A minha voz no vento ia tocar-lhe o ouvido
De outro. Será de outro
Como antes de meus beijos
Sua voz, seu corpo claro, seus olhos infinitos
Já não a quero, é certo,
Porém talvez a queira
Ah ! É tão curto o amor, tão demorado o esquecimento
Porque em noites como esta
Eu a apertei em meus braços,
Minha alma não se conforma por havê-la perdido
Mesmo que seja a última esta dor que me causa
E estes versos os últimos que eu lhe tenha escrito.

– Pablo Neruda

Starry Night

Sobre Salou

Sara Loureiro (SALOU) segue um caminho que reconhece que é o Seu: o da aprendizagem e busca constantes.
Esta entrada foi publicada em Artigos, Imagens, Novidades com as etiquetas , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

2 respostas a Poema XX – Pablo Neruda

  1. Anónimo diz:

    Amiga, obrigada pelo poema acompanhado pela tela do grande mestre do impressionismo.
    Adoro Neruda pela sua grande sensibilidade e tocou-me, podes crer. Depois de ver o filme, “O Carteiro de P. Neruda” e de ler “Confesso que vivi”, ele está no meu coração. Onde estás tu também.
    Olha há uma baralhação aqui com o mail, desculpa as repetições e vou telefonar-te.
    Virgínia

    • Salou diz:

      Obg, Virgínia, pelas tuas palavras! Os corações não servem, apenas, para nos dar preocupações! Neles cabem os amigos, os amores, os romances, as paixões, as ilusões e desilusões e acredito que muito mais… Como o teu é grande, deve haver lá muita coisa boa e bonita! Abr. Salou

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s